Espelhos.

Era uma mulher. Sentia-se toda mulher, no auge dos seus 35 anos. Vivia com o marido, em um apartamento em um bairro nobre qualquer da cidade, com todo conforto e libido permitidos à uma mulher moderna. Era um furor sexual e tinha experiência acumulada de sobra, num corpo que ainda desprendia o cheiro e o calor da juventude. Mas não se enganava: envelhecer era um tormento e negava-se a aceitar a materialidade do seu corpo. Talvez por isso tenha notado aquela garota, em um dia quente onde todos pareciam derreter em meio ao silêncio caótico da cidade. Mas ela estava lá, radiante em seu vestidinho azul-claro. Impossível determinar a transparência do vestido. A garota atravessou a rua, esbanjando seu corpinho e sua vitalidade (ainda intacta na juventude dos seus prováveis 17 anos). Era uma bela idade para um belo corpo, e vice-versa. Não precisava de muita experiência, e, de certo, não deveria ter. “Era melhor pensar assim“. Acompanhou-a com os olhos durante alguns segundos, os poucos dos quais a garota precisou para chegar até a porta do condomínio onde ambas moravam.

Já em casa, deitou-se no sofá e tentou pensar em uma melhor composição para sua coleção de cerâmica. Não era sua, de fato. Era quase que um presente de família, que já havia sido da sua avó, da sua mãe, e, agora, chegava as suas mãos, quase como uma dívida post-mortem. Suas curvas, as curvas da cerâmica, as curvas da garota… Tudo se fundia em um emaranhado de pensamentos que a faziam desejar a jovem como quem deseja a si mesma. Correu à janela e viu a garota deitada em sua cama, folheando uma revista de um lado para o outro. Resolveu, então, tomar um banho e esquecer um pouco daquilo tudo. A coleção de cerâmica tinha olhos reprovadores.

Continuava assim sua vida de mulher moderna: trabalho-casa, casa-trabalho. Depois do primeiro encontro com a jovem, iniciou-se uma série de outros encontros inesperados enquanto caminhava pelo bairro. Parecia que de alguma forma o universo das duas se tocavam, sem que houvesse qualquer aproximação física. Outros encontros, no entanto, só se realizavam através do enquadramento da janela. E esses eram os mais significativos para a mulher, onde podia exercer o seu papel de Deus sem qualquer tipo de recriminação. Havia virado uma atividade de pura observação, assim como a cerâmica a permitia. Conhecia de cor o corpo da garota e às vezes gargalhava sozinha, imaginando o absurdo de conhecer mais o corpo de uma estranha do que o seu próprio.

Uma noite, voltou à janela para mais alguns minutos da sua divina observação. Encontrou um cenário silencioso, com as luzes todas apagadas, como se não houvesse ninguém em casa. Subitamente, a luz do quarto da jovem se acende e um casal entra em cena: a garota, com seu vestidinho azul-claro e, para a surpresa da observadora, seu próprio marido. O que faria o seu marido no quarto da jovem era algo que seria respondido nos próximos minutos. Pôde então, pela primeira vez, ver seu próprio personagem agindo. Trepava com seu marido, na sua frente. A impotência do momento, que era algo de aterrador para ela e sua coleção de cerâmica, se transformou aos poucos em excitação, levando-a a participar do momento, quase como num ménage à trois telepático. Ela, seu marido e a jovem, conectados de uma forma estranha, porém prazeirosa. A garota não parecia menos experiente e, ela, não menos atraente e segura. Seguiram juntos a aventura, até que, entre gemidos, seus olhos se encontram com os olhos da jovem. Havia tanta cumplicidade nesse momento, que o gozo explodiu em algo etéreo e pluri-dimensional. Inexplicável. Envergonhada, a garota corre e fecha as cortinas. A mulher, cansada e feliz, deixa-se tombar na cama, sendo providencialmente abraçada pelo marido, que nunca havia reparado que uma garotinha de vestido azul-claro morava na janela à frente.

http://werllen.wordpress.com

3 Respostas

  1. r3in4ld0

    Aê werls me cadastra aê!!

    dezembro 3, 2007 às 9:52 am

  2. Muito bom.

    grande abraço
    Alcina

    janeiro 19, 2008 às 6:06 pm

  3. maravilha…adorava privar com este casal…discretamente e tentar dar-vos tudo o que quisessem… Se querem escrevam para cherne@live.com e sugiram uma forma de nos encontrarmos…Moro em SDintra mas posso deslocar-me facilmente durante uma tarde… Um abraço a ambos…beijinhos…carlos

    fevereiro 5, 2008 às 8:54 pm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s